Dialogo – Ecologia do Corpo 

Liane Zink

 

Introdução 

Falar do corpo ecológico ou da ecologia no corpo entendi que o assunto e muito vasta, pois envolve conceito de saúde, e do mundo moderno. Optei para falar de como o corpo se estrutura na Ecologia dos sistemas de defesas, ou seja, dos caráteres.

Vou começar por algumas reflexões sobre o mundo atual, meus autores preferidos para esta descrição é Dr. Lowen, Lipovetsky, e Edgar Morin. 

 

Vivemos novos valores, uma ética  e uma ideologia individualista. “ O homem atual se sente no direito a dispor de si mesmo livremente, de sua vida particular, de deliberar sobre a natureza do poder e da lei.” (A era do Vazio – Lipovetsky.)

 

Somos racionais, irracionais, espirituais e emocionais. Fazemos parte de uma humanidade que cresce entre realizações, desejos, alegrias, sofrimentos e dores. Somos educadores que  participamos deste momento histórico, somos cidadãos planetários, todos os acontecimentos influenciam nosso cotidiano, sejam eles conquistas extraordinárias, nas mais diversas áreas, que beneficiam as pessoas, sejam tragédias inimagináveis.

 

Reavaliamos as antigas posturas, com base na experiência adquirida. Entendemos que impor-se um mínimo de referencia conceitual e histórica e importante, um flash back, os nossos valores contemporâneos tomaram corpo, reestruturaram nossos discursos e modificaram nossas relações sem perdemos nossas tradições. O panorama da psicoterapia corporal no mundo atual, significa pensar as teorias com um olhar para o individuo e o seu corpo num contexto político-social de uma maneira pluralista e integrada no meio ambiente. É como fazer um dialogo entre o corpo e o mundo ao seu redor, pois o homem se afastou da Comunidade, da Pessoa, do Organismo e do Cosmos. “O Corpo tornou-se antônimo da Alma”. Jung.

 

Nossa teoria e técnica continua no século XX, será ela suficiente para entender o estado emocional do homem contemporâneo, é por isto que o tema sobre ecologia é tão atual.Quem pela primeira vez escreveu a respeito do deste tema foi Haeckel 1834- 1919, que significa o  estudo do organismo em sua casa isto é no seu meio.Ela é um nível superior de pensamento, onde tudo esta relacionando com tudo, inclusive com as soluções como ciência do Inter-relacionamento homem/natureza. De suas pesquisas e analise depende a compreensão da harmonia entre  o homem e o ambiente, com isto surge uma ressonância entre todos os sistemas que são interativos entre si e se apóiam mutuamente. 

É como uma teia que para ser tecida necessita de vários elementos. 

Para David Bonhn, existe um padrão de totalidade envolto em todos os seres, “tudo envolto em tudo”.

 

A essência do ser humano de hoje é entender e expandir suas fronteiras, prolongar sua longevidade através de novos conceitos de saúde, o oposto de saúde hoje em dia é o stress. Quando acontece uma quebra em nossas crenças o sistema emocional se abala, e aparecem turbulências. Estas turbulências causam stress

 

Este stress significa o colapso adaptativo, o indivíduo não se adapta plenamente ao meio, e a organização de um fluxo energético se rompe e acontece o anti-fluxo. 

Atualmente  já sabemos que é impossível eliminar a pressão externa, para tanto precisamos aprender a conviver com ela.

As pesquisas indicam que em cidades grandes, barulhentas, competitivas e poluídas o nosso organismo tem a capacidade de suportar 70% de stress, mas o importante é aprender a relaxar os 30% restantes.Esta é a tese do Dr. Lowen que desde o século passado já falava a respeito do organismo em seu meio e sua preocupação com o equilíbrio entre os dois.

 





O movimento da energia segue sempre um fluxo de descarga em direção a terra “Grounding” o mais ecológico dos conceitos do Dr. Lowen. 

A Bioenergética se propõe, com a abertura do seu centro emocional, a descoberta do verdadeiro Self, o Si Mesmo, e que é o lugar da Vibração.

Vibração, para Lowen, significa entrega à vida. Sabemos que para esta entrega acontecer precisamos passar pelas defesas de caráter. 

 

Edgar Morin diz que precisamos educar para a incerteza. Quando ele diz isso, não está afirmando que não existem certezas. Certezas existem, só que em meio a essa grande complexidade que constantemente desafia e desmonta os nossos modelos explicativos.

No livro Os Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro”, ele fala que para  ensinar à condição humana, individual e coletiva precisamos ter consciência da complexidade humana. Somos ao mesmo tempo sábios e loucos, trabalhadores e lúdicos, empíricos e imaginários, econômicos e consumistas, prosaicos e poéticos



 “O nosso tempo pede que sejamos educadores de coração humano muito grande. De coração humano e complexo muito grande. Isto exige capacidade de aventura, capacidade de morrer e renascer!”, como fala Edgar Morin.



Pretendo neste momento falar sobre o corpo ecológico inseridos no mundo moderno. Como seria a leitura dessa complexidade neste momento? Como funcionam os caracteres? O que queremos como ser humano? Qual é a nossa busca, qual a abertura à vibração,e a Felicidade?

Primeiramente vamos deixar de pensar em títulos ou rótulos. Vamos pensar em fios que se entrelaçam em todos os tecidos da vida: o Nascimento, a Família,  a Cultura, o Cosmos a Aldeia Global e a Ecológica. 

O que é ser gente neste mundo? de que forma se desenvolve esta construção?Quais são as necessidades de nosso tempo?

Na verdade estamos  vivendo na anti-ecologia, que significa que faz pouco tempo que fomos realmente tocados pelo cuidado que temos que ter com o meio ambiente, tal com reciclagem, alimentação  e um corpo mais saudável. 

 

A pulsação é um conceito de saúde que diz:  cada célula, cada tecido pulsam juntos, o que significa que se expandem e se contraem ritmicamente. Quando esta pulsação rítmica é livre, sentimos prazer, sentimos alegria e vivenciamos o êxtase.

O oposto são as estruturas caracterológicas de defesas que o sujeito formou a partir de sua necessidade de sobreviver na relação com o mundo exterior. Primeiramente com a matriz materna e depois com a função do pai, da escola, da sociedade e da comunidade. Estas defesas perderam o contato com valores internos como dignidade, beleza e graça. É difícil, nos tempos de hoje, dedicarmos atenção à vida interior. Platão, Confúcio, Buda, Goethe nos falaram de valores eternos,  como o centro de nossa vida. Um dia, quando envelhecermos e todas as nossas necessidades imediatas forem atendidas, nós nos voltaremos para o interior e aí, se não soubermos onde ele está ou o que é este centro, iremos sofrer. 



Se vamos falar das defesas instaladas na pessoa na fase do Desenvolvimento Oral, é preciso dizer que sabemos que em nossos dias a Oralidade é tão estimulada através da propaganda, que comemos com os olhos, sofremos de Anorexia e abandono, pois “comer faz mal à saúde ou nos engorda” a dupla mensagem cultural que nos enlouquece. Ser Esquizóide é ser cada vez mais integrado, pois se passar horas no computador, conversando ou fazendo sexo, é aceito pelo social, não precisamos tocar ou esconder a angústia de criar vínculos. Não precisamos olhar olho no olho. 



A discussão dos caráters no contemporâneo 

 

Função da Oralidade – Esquizóide e Oral








Função Analidade – Psicopata e Masoquista 

 

Tudo gira em torno do produto: 

 

Meu produto é qualificado, eu sou poderoso manipulador, estou In.

 

Meu produto é desqualificado e preciso retê-lo dentro de mim, mas  também vai ser aceito, porque me tornarei passivo, adequado e bom para trabalhar nas grandes empresas.








Função Fálica – Fálico Narcisista e Histérica 

 

Somos sexualizados, o mundo era pacifico, até agora, pois não sabíamos a diferença dos sexos.

Prazer, prazer – contato, troca. Virou prazer na imagem. A sexualidade virou masturbatória, é tão mais fácil. Contato – causa. Tudo é sexualidade, tudo é energia que descarrega, banalizou-se o que Reich dizia da descarga, do encontro, do corpo fluido:

 

– Posso descarregar em qualquer situação; consumo, trabalho, drogas, bebidas. Fico cada vez mais só, isolada mas, adaptada.








Penso que Dr. Lowen, ao colocar o conceito de funcionalidade de cada caráter, tentou ensinar a todos nós que precisamos aprender a transformar a intimidade e a complexidade de nossos tempos. Precisamos passar por todas as emoções que aliviam como raiva, choro, medo e amor, para entendermos que vibração, a alegria é a  entrega ao corpo e a vida.

O corpo ao se tornar ecológico  ficou integrado com a rede da vida, saiu do isolamento individual para entrar em contato com o seu verdadeiro lugar no mundo com o coração aberto para novas dimensões espirituais e do amor um processo continuo de reintegração.









Bibliografia




 

  • Campbell, Josef – O Poder do Mito, Ed. Palas Athena.
  • Hall, Eduard – A Dimensão Oculta, Ed. Francisco Alves.
  • Lowen, Alexander – Alegria – Entrega ao corpo e à vida, Ed. Sumus.
  • Lowen, Alexander – O Corpo em Terapia, Ed. Sumus.
  • Lowen, Alexander – Sexo, Corpo e seu Coração, Ed. Sumus.
  • Neto, Elydio dos Santos – Educação e Complexidade, Ed.Salesiana.
  • Lipovetsky, Gilles– A era do vazio: ensaios sobre o individualismo contemporâneo, Ed.Manole.
  • Bohm, David – Diálogo, Ed. Palas Athena,2005
  • Goewin, Malcolm – Quem é você? 101 maneiras de ver a si mesmo, Ed. Pensamento, 2000.
     

 

Liane Zink, psicoterapeuta corporal e uma pioneira na introdução da Psicoterapia Corporal no Brasil. Trainer Internacional e diretora do Instituto de Análise Bioenergética de São Paulo e do Instituto de Biossíntese do Brasil, trabalha regularmente com grupos de formação na Alemanha, Portugal, República Tcheca, Japão, Israel e diversas cidades do Brasil